Mercado de livros fecha 1º semestre de 2017 melhor que no ano passado

Submitted by: Samara Ribeiro 05/08/2017

Faturamento cresceu 3% (considerando inflação) e volume de vendas 5,47%. Ao G1, Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL (sindicato do setor) diz ver resultado com 'cautela': 'Reverte parcialmente as perdas'.

Após um 2016 que esteve mais para história de terror do que para contos de fada, o mercado de livros do Brasil começa a dar sinais de recuperação.
O setor fechou o primeiro semestre de 2017 com dados positivos tanto em faturamento (alta de 6,59% com relação ao ano anterior; ou cerca de 3%, levando-se em conta a inflação do período) quanto em volume de vendas (alta de 5,47%). Mas o um crescimento é discreto.


Nos primeiros seis meses de 2017, foram R$ 931,6 milhões – contra R$ 873,9 milhões no ano passado. Já o número de exemplares vendidos cresceu de 20,9 milhões para 22 milhões. Os números estão na edição mais recente do Painel das Vendas de Livros no Brasil, divulgado em 3 de agosto.


Divulgado mês a mês e agora com o balanço do semestre, o estudo é feito pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) e pela Nielsen. A pesquisa baseia-se no resultado da Nielsen BookScan Brasil, que verifica as vendas em livrarias, supermercados e bancas.

Vale registrar que 2016 foi considerado um ano bastante difícil para o setor. Além da crise econômica, faltou um fenômeno editorial.
A avaliação é que o resultado "reverte parcialmente as perdas" do ano passado. "Acredito que a estabilidade da economia, a interrupção do aumento do desemprego e a queda da inflação, impactaram positivamente as vendas em geral".

Pereira cita ainda que os primeiros três meses registraram a maior parcela do crescimento, atribuindo o aumento aos "resultados positivos no volta às aulas e promoções no Dia da Mulher".
"Os números de 2017 também são relevantes por não estarem vinculados à nenhum fenômeno específico", afirma ele, citando que "algumas promoções das principais redes de livrarias 'puxaram' as vendas para cima".

Sem fenômeno como livros de colorir
Em 2015, houve o fenômeno dos livros de colorir. Em 2016, não houve fenômeno nenhum – os YouTubers até ajudaram, mas não deu para chamar de febre.
E em 2017: alguma tendência, pelo menos, no horizonte? Não exatamente. Mas dá para notar que livros de não ficção estão em alta (ou seja, nada de romance, contos ou poesia, por exemplo).

"Há uma volta ao livro de autoajuda e espiritualidade, em que autores como Mario Sergio Cortella, Augusto Cury, Prem Baba e o padre Reginaldo Manzoti se destacaram", lista o presidente do Snel.

Em junho de 2015, os ministros do STF decidiram, por unanimidade, derrubar a necessidade de haver autorização prévia de uma pessoa biografada para publicação de obras sobre sua vida. A decisão liberou biografias não autorizadas pela pessoa retratada (ou por seus familiares) publicadas em livros ou veiculadas em filmes, novelas e séries.

O Painel das Vendas de Livros no Brasil informa que, no primeiro semestre de 2016, os livros de não ficção haviam vendido R$ 196,8 milhões. No mesmo período de 2017, vendeu R$ 220,8 milhões.
Simbolicamente, dá para lembrar que o best-seller do Brasil no ano passado foi o doce e romântico "Como eu era antes de você" (Intríseca), de Jojo Moyes, segundo o site PublishNews. Já em 2017, o campeão até aqui é "Batalha espiritual" (Petra), do Padre Reginaldo Manzotti.


Fonte: Portal G1